Tão Longe Tão Perto


Conversa matinal
16/08/2009, 23:44
Filed under: Conversa Matinal | Tags: , ,

BikeSaindo do alojamento com trovão azul, a bicicleta que Robert me emprestou por um ano e que me garante os minutos mais prazerosos do dia: 1. colete amarelão pra não ter medo de ser atropelada pelo ônibus de dois andares – ok; 2. óculos escuros pra não ter medo de atropelar os mosquitos e polens – ok; 3. capacete azul combinando com a bike pra proteger os neurônios que me restam numa possível queda – ok; 4. meias pra fora, segurando a barra da calça pra não prender na corrente nem sujar de graxa – ok; 5. livros na mochila, mochila na cestinha – ok.

Hoje ainda não choveu. Beleza, em 17 minutos estarei na biblioteca. Antes da primeira pedalada, ainda na porta de casa, uma vozinha baixa me pede licença. Vejo um senhor de 70 e poucos anos; terno verde escuro de lãzinha, calça marrom, lenço branco na lapela, boina estilo escocês: “Esta casa ainda abriga mulheres sem-lar?”. Confiro novamente meu tosco modelito, buscando a motivação daquela pergunta. Mas já tinha observado que aqui o respeito pelo outro não depende da apresentação pessoal. “Não, senhor, agora são estudantes que moram aqui. Mas ouvi mesmo dizer que a última vítima de Jack tinha um quarto neste lugar”.

O papo rendeu uns 20 minutos, ouvi detalhes que ainda não conhecia sobre o crime e sobre o arquivamento do caso pela polícia. Mr. Terry então me perguntou de onde eu era e cantarolou Aquarela do Brasil quando ouviu minha resposta. Contou algumas histórias antigas do bairro e perguntou ser eu era católica (acho que por causa do nome de inspiração bíblica. Ele não deve conhecer a personagem de Jorge Amado) ou se, pelo menos, eu tinha fé.

Num exercício de auto-afirmação em que ultrapasso carrões, taxis, motos e ônibus enormes, segui firme com trovão azul pelo asfalto, reforçando minha fé no dialogo intergeracional, intercultural e interdisciplinar que procuro praticar aqui, estudando meu país. Abre a cortina do passado, tira a mãe preta do cerrado, bota o rei congo no congado e tenha um bom dia, Mr. Terry.