Tão Longe Tão Perto


Sobre ir e voltar
19/07/2011, 0:47
Filed under: Sem categoria

Confesso que não consigo mais ouvir uma história de viagem impunemente. Por  mais longínquo que seja o destino do viajante, meu fôlego imaginário infla até alcançar a balsa que cruza o rio Mekong, as bicicletas de Hanói, o pé do Himalaia. E volto para lembrar que estou mais próxima de tanta riqueza cultural e ambiental aqui nos Lençóis Maranhenses, Peru, Cuba, México… E conto os anos que passei no mesmo lugar, o tempo que tenho versus o dinheiro que não tenho. E vem a importância de cada coisa: ter raiz, não se deixar enterrar. Essas viagens imaginárias não tem muito de turístico porque o que guardo de mais precioso não são souvenires, mas amigos, histórias de vida e laços que embaraçam e desembaraçam as pessoas, seus valores, suas culturas. Só que tudo tem um preço. E o de ser viajante talvez seja a distância que faz desaparecer aquele cotidiano comum, familiar, aconchegante, confortável, seguro. E pra alguém voar, alguém tem que ancorar. E ficar também pode ser uma opção de roteiro a seguir. Mas agora?



Institucionalizando a impermanência
06/07/2011, 21:59
Filed under: Institucionalizando a impermanência | Tags: ,

Hoje recebi o crachá eletrônico do trampo e nele está escrito “Provisório”. Agora este é o código para abrir as portas. Opa, vou aproveitar. Obrigada!

É curioso andar com isso no peito, como se exibisse a misteriosa interrogação do futuro, que faz parte da vida de todo mundo, em qualquer lugar. No meu caso, só reparei que podia ampliar o repertório de “quem sou eu” ao deixar de portar cartão de visita, crachá, carro com adesivo e, consequentemente, salário e uma agenda daquelas que a gente aproveita a capa e vai trocando o miolo a cada ano, sem grandes surpresas. Mas não foi isso que sempre quis?

Ao abrir mão da estabilidade do previsível, tudo pode acontecer. Mas até que ponto o leque de escolhas é assim tão vasto? As combinações começam a girar como naqueles jogos de jackpot. Plim! Estudante+Estrangeira+Dura. Sedutor, mas não é das alternativas mais sustentáveis. Plim! Profissional+Muito mais Estrangeira+Solitária. Dói um pouquinho a cada dia, é até suportável, mas seria pedir muito ter algum retorno no curto prazo? Plim! Filha+Amiga+Confusa. Hmmm, deixa essa passar logo! Plim! Enquanto giro a manivela do acaso, sem perder a esperança de encontrar a combinação perfeita, a vida acontece, sem se importar muito com o que está escrito no crachá. Já chegou? Sim, mas vai passar.